novembro 2015

Um diagnóstico da situação da sua empresa: vá além das ferramentas digitais

Como para qualquer iniciativa estratégia, você não pode começar um projeto digital de treinamento sem analisar a situação atual da empresa. Antes de avançar, reserve um tempo para olhar ao redor e falar com as pessoas, sem tecnocentrismo ou egocentrismo.

Esse estágio crucial irá permitir que você tome decisões esclarecidas, delineie ambições, defina objetivos e convença os outros – e a si mesmo – de que sua visão de treinamento digital é o caminho certo.

Olhe para como os colaboradores estão usando ferramentas digitais

Analisar a situação não significa apenas levantar as ferramentas digitais que já estão sendo usadas na empresa. No pertinente à digitalização, a maneira que as pessoas utilizam essas ferramentas é fundamental, mas muitas pessoas ainda subestimam sua importância. Nossa própria experiência na CrossKnowledge fornece uma ilustração eloquente disso.

Alguns anos atrás, um cliente da CrossKnowledge queria montar uma plataforma colaborativa. Depois de pesquisar o mercado, adquirimos uma solução tecnológica que parecia ser a mais apropriada. Alguns meses depois do lançamento, tivemos que encarar a realidade: a nova ferramenta não estava sendo usada, mesmo com todos nossos esforços para apoiar a mudança. Fizemos uma análise mais profunda e descobrimos que para se comunicar, nossos funcionários já estavam usando uma versão freemium de uma solução rival, que eles mesmos haviam escolhido. Em poucas palavras, fizemos um grande esforço para impor uma nova maneira de fazer as coisas sem saber que já existia uma.

Essa história verídica comprova que comunidades informais bastante sólidas já existem nas organizações. Às vezes, elas já detêm as ferramentas necessárias. Moral da história? Observe cuidadosamente como seus funcionários estão fazendo as coisas. Dessa forma, você será capaz de aproveitar o que eles já estão fazendo e garantir sua sintonia com o que eles realmente precisam.

Analise onde você está hoje

Para cruzar qualquer linha de chegada, você precisa ter uma boa ideia do ponto de partida. Não é diferente para educação digital.

Além das aparências

Além de conhecer como as pessoas estão fazendo as coisas, você também precisa avaliar como elas percebem a tecnologia digital. Ao fazer isso, você terá uma visão mais clara se são maduras e abertas aos desafios postos pela digitalização, e também poderá identificar o que pode atrapalhar ou comprometer seu plano. Conheça as pessoas no local de trabalho, faça perguntas. Durante a fase de análise, dependendo do perfil do seu público-alvo, você pode coletar informações usando tanto discussões informais quanto grupos focais.

Outra tarefa para você analisar a situação é identificar como e onde as pessoas podem acessar o conteúdo digital. É muito fácil envolver certos públicos dentro da organização, como gerentes e vendedores, que geralmente dispõem de computadores, smartphones e tablets. No entanto, outros – em fábricas, por exemplo – não usam essas ferramentas para trabalhar e não são muito familiarizados com o modo de usar.

É claro que isso não significa que você deve deixá-los de fora. Pensar que pessoas que não têm acesso a um computador não podem se beneficiar dos treinamentos digitais é o mesmo que negligenciá-las – ou até mesmo puni-las. Com um pouco de criatividade, você pode implementar facilmente abordagens digitais para todos seus funcionários, incluindo os que têm menos acesso.

A auditoria começa em casa

Os gerentes de treinamento tendem a excluir um pouco rápido certos perfis do plano de digitalização, argumentando que “não estão prontos para mudanças”. Mas será que a cultura digital do seu próprio departamento é o suficiente para liderar essa migração? Fazer com que as equipes de treinamento digitalizem suas atividades quando não se sentem confortáveis com essa abordagem é uma receita para o fracasso. Na maioria dos casos, é o próprio departamento de treinamento que precisa se tornar ciente do uso de ferramentas digitais ou ser treinado para usá-las.

Avaliando seu ambiente digital

Ao parar para pensar em seu programa de treinamento, abrir as portas da criatividade é importante. Como você gostaria que ele fosse daqui 5 anos? Fique aberto a novas possibilidades. Em um mundo ideal, sem restrições financeiras, humanas, logísticas e até mesmo políticas, imagine como funcionaria um departamento de treinamento totalmente digitalizado.

Veja o exemplo de uma empresa que já usa o e-learning como parte de um programa de blended learning. Em outras palavras, os recursos digitais são disponibilizados para os alunos antes das aulas presenciais. Nesse contexto, o gerente de treinamento estaria certo em sonhar com uma nova realidade, na qual:

  • Os próprios funcionários solicitassem os treinamentos durante as avaliações de desempenho, entrando em comum acordo com seus gestores imediatos.
  • Os colaboradores tivessem acesso a um botão de “ajuda” durante o treinamento para que pudessem conversar com um especialista.
  • Os funcionários pudessem entrar em contato com seus instrutores para fazer perguntas após a realização do curso.

Certifique-se de que você está lutando pela causa certa. Sua missão não é desenhar uma estratégia digital, mas sim, uma estratégia de treinamento que usa tecnologia digital para criar mais valor. Sua prioridade deve ser a de aprimorar significativamente o desempenho dos seus programas de treinamento – e consequentemente o desempenho da sua organização. Com isso em mente, defina o público-alvo ideal, os objetivos e os grupos que precisam ser convencidos de que esse é o caminho certo. Logo após, trace o caminho que o levará até eles. Reserve um tempo para pensar: liste suas necessidades e identifique o que precisa mudar – novas plataformas para desenvolver módulos de treinamento, por exemplo. Você também terá que analisar o que pode ajudá-lo a acelerar as coisas, bem como possíveis riscos. Seja cuidadoso para não superestimar os riscos tecnológicos e subestimar os riscos interpessoais, organizacionais e relacionados às competências – apesar das aparências, são esses provavelmente os mais perigosos de todos.

Avaliar a performance do treinamento: dois critérios importantes

Dois aspectos em particular são cruciais quando você pensa no retorno do investimento do treinamento.

Eficácia

  • Calcule quantas pessoas a mais você conseguirá incluir (funcionários, fornecedores, clientes, parceiros).
  • Determine como seu novo programa de treinamento é mais sólido de um ponto de vista pedagógico.
  • Identifique as variáveis que irão mostrar que o programa economiza tempo e torna sua equipe mais ágil dentro dos limites do orçamento.

Não se esqueça de que a digitalização do treinamento gera economias significativas em termos de custos com logística, porque substitui parcialmente o aprendizado em sala de aula pelo ensino a distância.

Contribuição (ou seja, a capacidade de o treinamento a ser avaliado e mensurado)

Um diretor que repassa um orçamento na casa dos milhões ao seu gerente de treinamento certamente estará interessado em saber que o número de funcionários treinados irá aumentar graças à digitalização. Mas ele estará mais ansioso para entender como esse investimento irá impactar o desempenho da organização. Vamos ser claros nisso: o principal objetivo de sua estratégia não é economizar dinheiro. Ele deveria ser primeiramente expresso em termos do impacto que terá no desempenho corporativo: posição de mercado, prestígio e produtividade.

Não ceda a modismos

Alguns anos atrás, os MOOCs entraram em cena. Hoje, muitas organizações querem criar seus MOOCs corporativos. Elas estão fazendo isso por que o formato gera valor agregado ou estão apenas copiando? Em alguns casos, a empresa tem realmente um interesse em desenvolver tal programa porque ele responde perfeitamente às suas necessidades estratégicas. Mas em muitos outros casos, esse grande investimento significa pouco em termos de criação de valor.

 

Dê mais um passo
para sua transformação

Contato
close